Ba x Vi da Independência

Dois de julho, data mais que especial para o povo baiano, dia que se comemora a Independência da Bahia (2 de julho de 1823). Foi em 1822, quando Dom João VI retira o comando de Manoel Guimarães e tenta entregar ao General Português Madeira de Melo,que se iniciou a revolta popular,  os baianos não aceitaram a nomeação e buscaram o desligamento da Bahia da Coroa portuguesa. 

Não é sabido se quem faz a tabela do Campeonato Brasileiro é baiano, ou conhece profundamente a história do Estado, mas o certo é que escolheu o dia 02 de julho para o primeiro principal clássico estadual, após quase três anos sem os dois clubes se encontrarem na série A. Em uma analogia a história da independência, Bahia e Vitória querem a libertação da zona de rebaixamento, o tricolor ocupa a 17ª colocação (10 pontos), seguido por Vitória na 18ª colocação (8 pontos).

Nos contos históricos, a cidade de Cachoeira tornou-se o quartel general das tropas libertadoras, após a Vila de Cachoeira ser a primeira a romper com a Coroa portuguesa. Já no próximo dia 02, o Barradão se tornará o centro de reabilitação para uma das equipes no campeonato, afinal, quem vencer ganhará moral e fôlego na competição, além da possibilidade de poder voltar a ter uma boa sequência.

O padre Brayner liderou os vaqueiros da cidade de Pedrão, que utilizavam armas de caça da Caatinga na batalha, e com esses voluntários estava a lendária Maria Quitéria que, vestida de homem, lutou como soldado nas batalhas contra os portugueses. Para vencer o Ba x Vi, os clubes deverão utilizar suas defesas como as primeiras armas de batalhas, a zaga do Leão vem sendo contestada e errando a cada rodada, por outro lado, a zaga Tricolor vem sofrendo nas últimas rodadas e tomando gols infantis. 

Em 2 de julho de 1823, os portugueses fugiram da cidade do Salvador e a Bahia tornou-se independente da Coroa. Agora em 2017, o vencedor do clássico será o responsável por deixar o treinador adversário em situação preocupante no cargo. Alexandre Gallo não foi unanimidade na torcida do Vitória, qualquer derrota vexatória para o rival estadual, o colocará na berlinda. Jorginho, enquanto não modificou o esquema tático de “Gordiola”, esteve bem, quando passou a utilizar as suas convicções, passou a ser contestado e ver a queda de rendimento da equipe.

A nota ruim fica por conta da torcida única. O Ministério Público da Bahia recomendou que o clássico seja disputado apenas com a torcida do clube mandante, no caso o Vitória, no Barradão, às 16h. A determinação de torcida única em Ba-Vi teve início quando ocorreu a morte de um torcedor do Bahia depois do primeiro clássico do ano, disputado no dia 9 de abril, na Arena Fonte Nova.

 

Por: Osvaldo Barreto

 

 

 

Osvaldo Barreto
Sobre Osvaldo Barreto 448 Artigos
Advogado. Estudante de Jornalismo (Estácio). Colunista e repórter do Esporte Clube Vitória.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*