Campeonato Baiano de Jiu-Jitsu da Fbjjmma conclui sua 2° Etapa

A fbjjmma concluiu a 2° Etapa do Campeonato Baiano de Jiu-Jitsu, no domingo, no Ginásio de Esportes de Lauro de Freitas. Com um alcance alto de público, os atletas disputaram durante todo o dia em categorias do mirim ao master.
Foto; Carol Ribeiro/Resenha Na Rede

Alguns atletas tiveram o empenho em destaque e levaram o resultado disso para casa, boas colocações no pódio e premiações com medalhas, acumulando pontos para o ranking geral que foi muito bem disputado.

Equipes como a NordesteJJ, Nova União e LG System tiveram bons resultados no ranking, o professor e atleta Renê Jadan, faixa marrom de 25 anos, falou sobre o empenho da sua equipe, como concilia vida de atleta e professor; e sobre a frequente aparição entres os três primeiros lugares.
RR: Você costuma trazer uma galera boa pra competir, como funciona a preparação dos atletas?
Renê: Na verdade como nós sabemos a fbjjmma tem etapas praticamente todos os meses do ano, então assim que acaba um campeonato nós fazemos alguns ajustes de jogo e tentamos adaptar mais ferramentas de acordo com a necessidade de cada um dos alunos. Na minha visão ser um professor de jiu jitsu é saber que cada pessoa, cada biótipo tem uma carência ou saturação diferente, então nossa preparação é todos os dias, temos aulas na nossa associação de segunda a sexta, 2x por dia. E em relação a quantidade, isso acabou virando um esquema network de marketing kkk, os que já competem acabam motivando direta e indiretamente os outros e com isso nosso time de competição só aumenta.
RR: Como você consegue conciliar sua vida de professor com a de atleta?
Renê: Infelizmente eu sinto que essa ainda é a minha grande dificuldade, não sei se é pelo fato de ter me tornado professor junto ao meu irmão Irland muito precocemente, mas muitas vezes eu acabo ficando sem treinar pra puxar um treino e nessa questão só quem da aula sabe como é, vc tem que tá ligado em cada garoto, saber se estão fazendo certo, puxar orelha, disciplinar, e com isso acaba direcionando sua atenção toda pra eles. Mas eu acredito que com o amadurecimento de muitos deles está ficando mais fácil dar aula e consequentemente abre mais espaços para poder voltar a treinar forte e aí sim competir de novo!
RR: Qual o sentimento de ver a NordesteJJ ficando entre as três melhores no pódio frequentemente durante as etapas?
Foto: Reprodução

Renê: Essa é a parte mais gostosa de se falar kkk, primeiramente que nada disso seria possível se nós não tivéssemos a estrutura e o conhecimento que nosso mestre Yuri Carlton nos proporciona na nossa academia, e depois, tenho três anos dando aula nesse projeto, e ver esses garotos colocando a nossa equipe em primeiro lugar no ranking é fascinante, é como se eu tivesse lutando com eles cada luta, hoje eu faço um curso técnico e dou aula pra eles, então é o meu trabalho que está em jogo toda vez que um deles pisa no tatame. Todas as vezes quando eu subo ali em primeiro lugar do pódio ou entre os três primeiros, me vejo cercado de grandes mestres das equipes da Bahia e a garotada embaixo tirando foto, é ter aquela sensação de dever cumprido… Muito gratificante!

Carol Ribeiro
Sobre Carol Ribeiro 108 Artigos
Estudante de Jornalismo (Estácio). Repórter dos esportes.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*