É verão na Bahia!

O verão só começa oficialmente em 21 de dezembro, mas, como todo bom baiano sabe, aqui é verão quase o ano todo. Porém, apesar do clima de verão constante, o baiano, como todo brasileiro, costuma protelar bastante a conquista do seu “corpo de praia”, ou seja, um “shape” digno das nossas belas praias. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), 62,1% dos brasileiros com 15 anos ou mais não praticaram qualquer esporte ou atividade física em 2015 (saiba maise provavelmente essa realidade não mudou em 2017. 

Eu já li em uma postagem de facebook, muito espirituosa, a seguinte dica: Como ter um corpo de praia? R-Tenha um corpo e vá à praia! Seria muito legal se fosse simples assim. Acontece que somos tão influenciados pelo padrão estético vigente que quando nos damos conta já estamos fazendo aquela dieta mirabolante e treinando de qualquer jeito, única e exclusivamente para desfilar nosso corpo nas praias, sem pudor.

Não há mal algum em querer ter um corpo melhor, com o qual eu me sinta também melhor. O mal reside nos meios que eu posso vir a utilizar para conquistar esse corpo. E com certeza a chegada do verão é um campo fértil para bizarrices diversas em busca do “corpo de praia”. Estamos falando não só das dietas malucas, mas também dos treinos insanos e do uso de substâncias milagrosas. Todos eles representando risco significativo para a saúde.

Mas e daí? Como é que eu faço? Não faço nada e desisto de ir à praia?

Calma! A intenção aqui não é afastar ninguém do famoso “projeto verão” e sim orientar o leitor para uma minimização dos riscos.

A primeira coisa, e talvez a mais importante, a se considerar é a necessidade de suporte profissional nessa jornada. Sim! Existem tanto profissionais de Educação Física quanto de Nutrição capacitados para ajudar a melhorar significativamente a estética e, por que não, o condicionamento físico em pouco tempo. Mas observe, eu disse melhorar! Não existe milagre!

De modo geral, existem comportamentos que ao serem assumidos melhoram, já nos primeiros dias, tanto o corpo quanto a mente. Isso se deve aos efeitos fisiológicos agudos que podem e devem, em caso de persistência, vir a tornarem-se crônicos. Vejamos o exemplo da hidratação. O simples fato de passar a beber mais água já melhora a pressão sanguínea e diminui o risco de ataques do coração, previne câimbras, melhora o funcionamento do intestino, melhora o desempenho em atividades físicas, melhora o transporte de nutrientes pelo sangue e auxilia no emagrecimento, só para citar alguns benefícios². (saiba mais) Em um próximo texto abordarei mais detalhadamente o tema hidratação.

Por hora a dica é “COMEÇAR”, sair da inércia. Coincidentemente, depois de um bom tempo parado, eu fiz isso ontem (13/12/17) e estou me sentindo muito bem.

E já adiantando, a “pegada” da coluna será aproximar você, leitor, do que há de mais atual em pesquisa científica para que possa começar se ainda não o fez, ou melhorar seu desempenho se já é ativo fisicamente, de forma totalmente segura.

Até a próxima!

Sérgio Nascimento
Sobre Sérgio Nascimento 1 Artigo
Sérgio Nascimento. Professor de Educação Física. Personal Trainer. Pós graduado em Fisiologia do exercício e avaliação física (Gama Filho)e em Metodologia da educação física e do esporte(UESC). Técnico em Assuntos educacionais do IFBA-Ilhéus.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*