Não me considero centralizador, visto que, durante nossa gestão fizemos atividades em todas as áreas do clube e normalmente sempre lideradas por outras pessoas. Confira a entrevista com Manoel Matos

Foto: Divulgação

O Vitória escolhe o seu próximo presidente no próximo dia 13. O @Resenhanarede iniciou uma série de entrevistas com os presidenciáveis do cube e nesta terça-feira apresenta a resenha com Manoel Matos. Há cerca de um ano, Manoel Matos se despediu do Vitória como vice-presidente. Um ano depois, devido a renúncia de Ivã de Almeida, ele foi o escolhido como candidato à presidência pela Liga do Bem, grupo que conta com os ex-presidentes Paulo Carneiro (que será seu gestor de futebol, caso seja eleito), Alexi Portela Jr. e Adhemar Lemos.  Confira abaixo toda entrevista:

União entre nomes tradicionais dentro do Vitória

Nós unimos essas pessoas por causa de uma causa comum, o amor que temos pelo Vitória e pela experiência de todos. No primeiro momento a união não tinha candidato, a intenção era unir as pessoas que tinham algum legado pelo Vitória. Foram convidados os três ex-presidentes, Raimundo Viana, eu, o próprio Ricardo David foi consultado, ou seja, o ideal era que o Vitória tivesse um só candidato.

Após a união do grupo, em função do momento crucial que vive o clube, decidimos que buscaríamos um nome que trouxesse a experiência e pudesse unir todos os nomes. Quando foi consultado meu nome, discutimos o projeto e avaliamos como construí-lo, deixei claro que o projeto não poderia ser ligado a pessoa, mas ao Vitória. Fiquei orgulho e honrado em aceitar o convite feito por esses três ex-presidentes, que confiaram a mim a missão de nos próximos dois anos dar uma contribuição a um legado que começamos em 2015 e 2016.

Foto: Reprodução

Antes aliado de Raimundo Viana, agora adversário

Posso afirmar que não houve nenhum rompimento entre Raimundo Viana e Manoel Matos. Pelo contrário, nos orgulhamos um do outro, trabalhamos muito durante dois anos e temos respeito comum. Tentamos nos unir a Raimundo Viana, mas ele tinha um compromisso com as pessoas que lhe apoiaram e com os torcedores que querem a sua volta e eu tive orgulho de aceitar o convite do nosso grupo de união.

Característica de centralizador e aliados com o mesmo perfil

Não tenho dúvidas de que teremos uma convivência muito boa entre Paulo Carneiro, Alexi Portela, Manoel Matos, Adhemar Lemos, Fabio Mota e muitos outros grandes Rubro-negros que estão nos apoiando. Posso dizer que cada líder tem uma característica e temos que respeitar todas.

Não me considero centralizador, visto que, durante nossa gestão fizemos atividades em todas as áreas do clube e normalmente sempre lideradas por outras pessoas, como foi o caso da área jurídica, no caso de Ricardo David na parte de planejamento e controle, também a área do mercado de comunicação, a área de futebol com Anderson Barros.

Então, não terei problema nenhum em trabalhar com Paulo Carneiro pois ele é um especialista de futebol e estarei liderando  as suas ações no futebol, visando o que é melhor para o clube. Alexi vai nos ajudar muito, afinal ele tem experiência e conhecimento de merco.

Administração do clube em dois anos

Esses dois anos que teremos nessa nova gestão serão suficientes para ter todo o foco no futebol. Visto que, a estrutura montada em 2015 e 2016, mesmo perdendo na área financeira, nós poderemos nesses próximos dois anos deixar o foco da nossa administração no futebol. Portanto, estamos trazendo uma pessoa que tem conhecimento pleno na área e é identificada com o clube, além de está criando uma metodologia no futebol que irá integrar todas as categorias de base com o profissional, ou seja, nosso gestor de futebol será responsável pelo sub-15 ao profissional.

A dificuldade em administrar o clube com um conselho “opositor”

O conselho eleito pela “chapa do torcedor” são torcedores como eu e tem uma legislação própria, tendo como presidente Paulo Catarino e todos eles querem o bem do Vitória. Nós administraremos o conselho diretor visando o bem do clube e não vejo nenhum problema de prestar contas para um conselho que foi eleito por outra chapa. Acredito que o conselho terá orgulho da eleição de um presidente que já fez muito pelo clube e pode fazer ainda mais. Além disso, só podemos avaliar de verdade quando houver a necessidade de me submeter a eles e  o conselho aprovar ou não alguma proposta que não esteja dentro da minha alçada.

Osvaldo Barreto
Sobre Osvaldo Barreto 516 Artigos
Advogado. Estudante de Jornalismo (Estácio). Colunista e repórter do Esporte Clube Vitória.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*